Inicio>pt>Notícias>Sabia que em Janeiro de 2020 vão ser criadas secções especializadas integradas em violência doméstica (SEIVD)?

Sabia que em Janeiro de 2020 vão ser criadas secções especializadas integradas em violência doméstica (SEIVD)?

01-11-2019 12:00



Sabia que em Janeiro de 2020 vão ser criadas nas comarcas de Lisboa, Porto, Matosinhos e Seixal secções especializadas integradas em violência doméstica (SEIVD)?

Trata-se de um projeto piloto inovador que permitirá uma articulação estreita entre os procuradores da investigação criminal e os que acompanham os casos de família e crianças no âmbito da violência doméstica.
Essa “proximidade física” entre magistrados visa um combate mais efetivo à violência doméstica e uma maior proteção das crianças vítimas dos conflitos interparentais.Estas secções vão abranger trinta magistrados, sendo que de futuro, poderão alargar-se a outras comarcas. É caso para dizer, bem hajam pela criação deste projeto piloto após o “inexplicável chumbo” no parlamento da atribuição do estatuto de vítimas a crianças que testemunhem quadros de violência doméstica no passado mês de julho.

De relembrar que Portugal ratificou a Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência contra as Mulheres e a Violência Doméstica (Convenção de Istambul)em 2013, documento que estabelece que as crianças são vítimas de violência doméstica, designadamente como testemunhas da violência na família.

Devagar, devagarinho o legislador vai-se convencendo daquilo que já é uma evidência cientifica, o testemunho de violência doméstica na família tem um impacto psicológico equivalente ao dos maus-tratos diretos sobre a criança.

Sendo que, em defesa do superior interesse da criança, é necessário partir de um outro prisma na regulação das responsabilidades parentais, em situações de violência doméstica entre os pais. Neste casos, convém frisar que o progenitor/a agressor/a, desde logo, falha gravemente no exercício da parentalidade ao constitui-se para a criança uma fonte de stress e insegurança. Compromete uma das funções mais básicas de “ser pai ou mãe” - garantir a segurança afetiva imprescindível para a estruturação de uma personalidade sadia na criança.

Etiquetas: 2019Sabia Que

Voltar à página de Notícias