Inicio>pt>Notícias>Sabia que a Nomofobia define o medo de ficar sem o telemóvel?

Sabia que a Nomofobia define o medo de ficar sem o telemóvel?

25-10-2019 08:36


Sabia que a Nomofobia define o medo de ficar sem o telemóvel?

Atualmente, são várias as investigações que se têm debruçado sobre a necessidade constante de estar conectado ao mundo e de não conseguir realizar as tarefas simples do quotidiano sem o smartphone.
Numa época em que as tecnologias fazem parte do dia-a-dia das pessoas, a nomofobia (no mobile phone phobia) poderá vir a ser uma fobia da atualidade, consistindo no medo de ficar sem telemóvel, mais propriamente sem o smartphone ou internet.
As tecnologias possuem inúmeras vantagens, contudo, pode surgir o problema de não conseguir “desligar”, e ter a necessidade de estar sempre a verificar (notícias, redes sociais, emails, etc…), sendo que esta consulta começa quase a funcionar como uma “compulsão”, pois se não o fizer a pessoa poderá exibir um nível elevado de ansiedade.

Os sintomas apontados pelos investigadores Bragazzi & Puente (2014, in Loureiro e Galhardo, 2018) são os seguintes:
· usar regularmente o telemóvel,
· despender tempo considerável na sua utilização,
· possuir um ou mais dispositivos,
· levar o carregador sempre consigo,
· experienciar sintomas de ansiedade e nervosismo quando pensa ter perdido o seu telemóvel ou quando este não está disponível por falta de rede ou crédito;
· manter o dispositivo ligado 24h por dia e, inclusivamente, dormir com ele na cama;
· evitar ir a locais onde o uso deste aparelho não seja permitido (e.g., aviões, teatro, etc.);
· sensação “toque fantasma”, que consiste em ter a sensação de ouvir o seu smartphone a tocar ou vibrar, ou confundir outro som semelhante com o som do smartphone;
· diminuição das interações sociais presenciais, e a preferência pela comunicação através das novas tecnologias, o que, por sua vez, leva ao aumento de stress e ansiedade.

Neste contexto, compreende-se que tenha surgido a necessidade de desenvolver investigações e instrumentos que possibilitem o estudo e a avaliação de como se processa a relação que indivíduo estabelece com o seu smartphone e do impacto que este possa ter na sua vida.

Se quer aprofundar mais esta temática não deixe de participar no nosso workshop intitulado “Gaming, Gambling e Cenas: como intervir nos comportamentos aditivos sem substância”, no dia 28 de outubro às 10h00m, no navio Gil Eanes em Viana do Castelo, com a presença do Dr. Pedro Hubert.

Fonte: Loureiro, D. F., & Galhardo, A. O. (2018). Desenvolvimento da Versão Portuguesa do Questionário de Nomofobia (NMP-Q-PT): estudo da estrutura fatorial e propriedades psicométricas (Master's thesis, ISMT)

Etiquetas: Sabia Que2019

Voltar à página de Notícias