Workshop
Violência Doméstica

Que mudanças se impõe no sistema de proteção?

Em pleno século XXI, tendo a declaração universal dos direitos humanos completado 70 anos e sendo Portugal uma sociedade já com alguma maturidade democrática impõem-se questões no que respeita à violência doméstica, que não podem deixar de ser refletidas.

Há um debate público, sério, comprometido e efetivo que não mais pode ser adiado pela sociedade portuguesa, sob pena de continuarmos todos e todas muito indignados/as a assistir impávidos a um crime que paradoxalmente condenamos mas permitimos.

Importa refletir, sobre o que foi feito desde a consagração constitucional do principio da igualdade no pós 25 de Abril, do primeiro plano de combate à violência doméstica (1999) até aos dias de hoje.

Neste workshop propomos essa reflexão interrogando-nos sobre o que falha no sistema de justiça, no sistema de proteção a vítimas, na educação das crianças e jovens que persistem em adotar comportamentos abusivos nas suas relações.

Se enquanto profissional se debate com dilemas de atuação, esbarra com obstáculos que lhe parecem insuperáveis, não entende o papel de cada agente na proteção das vítimas este workshop vai elucidá-lo.

Enquanto cidadão/ã se sente incomodado, envergonhado a cada dia que mais um telejornal abre com a notícia de uma mulher morta por violência doméstica junte-se a este grupo e comprometa-se a criar um mundo melhor para as gerações vindouras.

Elisabete Brasil é uma das maiores ativistas portuguesa na luta pela igualdade de direitos e respeito pela dignidade humana. De forma prática, contundente e sem falsos moralismos sabe colocar o dedo na ferida e abrir caminho para mudanças inadiáveis nesta área.

Dinamizado por Elisabete Brasil

Licenciada em Direito, advogada, é Doutoranda em Estudos de Género e Formadora em Violência Doméstica e de Género.

Diretora Técnica na UMAR, coordena o Observatório de Mulheres Assassinadas do qual é cofundadora, bem como do Observatório Criança(s) e Direito(s).

Trabalha em Centro de Atendimento, supervisiona duas Casas de Abrigo da Rede Nacional de Apoio a Vítimas de Violência Doméstica e de Género e participa na construção e implementação de Redes de Intervenção Especializada em Violência Doméstica, bem como de Planos Nacionais e Municipais na mesma temática.

Desde 1998 que acompanha a produção legislativa nestas matérias, bem como o desenho, implementação e avaliação das políticas públicas nesta área.

É consultora e coordenadora de projetos na área da violência doméstica e de género, crianças e justiça, avaliação e gestão de risco, recursos e redes especializadas nestas áreas.

Representa as ONG do Conselho Consultivo da CIG na Comissão de Acompanhamento Técnico para o Plano de Ação para a Prevenção e Combate à Violência contra as Mulheres e à Violência Doméstica (2018-2021), englobado na Estratégia Nacional para a Igualdade e Não Discriminação (ENIND 2018-2030) Portugal + Igual.

É perita nacional para a área da violência doméstica no EIGE – o Instituto Europeu para a Igualdade de Género.

É Investigadora doutoranda do CICS.Nova.

Informações Úteis

Local

Anfiteatro 1.2 - Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG IPVC)

Horário

10h - 12h30 e 14h - 17h

Inscrições disponiveis

Máximo 30

Preço

15€ *

* 50% desconto para amigosGAF e estudantes mediante comprovativo (Cartão Amigo GAF ou Comprovativo de Inscrição).
Para inscrições de grupos com um minimo de 10 pessoas entre em contacto connosco (www.gaf.pt/contactos) para saber condições.

Inscrições

As inscrições on-line encontram-se encerradas, contudo poderá inscrever-se no próprio local.

Para mais informações sobre a disponibilidade de vagas contactar 258829138 ou jornadas@gaf.pt